Equipe olímpica encerra sem medalhas a sua participação nos jogos do Rio2016

Doda Miranda e Cornetto K / foto: Aida Nunes

Depois de classificar três cavaleiros para a prova final da competição individual de saltos, a equipe brasileira não chegou para a disputa no desempate.

Eduardo Menezes, que abriu a passagem do Brasil com Seu cavalo Quintol, fez duas faltas ao derrubar dois obstáculos ainda na primeira volta, terminando a competicao com 8 pontes perdidos. O cavaleiro explica que aqueceu o cavalo de forma mais leve antes da prova, mas sentiu que o animal estava em ótima forma física. “Eu subestimei um pouco a quantidade de energia que o meu cavalo ia ter, por ser o último dia de provas, achei que ele pudesse estar mais cansado. Então a minha preparação no aquecimento foi bem leve, mas no final das contas o cavalo respondeu muito bem, com a mesma energia do primeiro dia de prova. Então isso mudou um pouco o plano que eu tinha para a pista. Achei que fosse dar, mas acabei chegando muito embaixo e um obstáculo, e não consegui fechar a prova com zero”, lamenta Eduardo.

Pedro Veniss veio em seguida, montando Quabri de L’isle cometeu apenas uma falta. O cavaleiro chegou para o segundo round da disputa com 4 pontos e finalizou seu percurso com apenas 1 ponto perdido por exceder o tempo limite da prova, encerrando a sua participação com 5 pontos. Pedro se diz satisfeito com a participação do Brasil na competição. “A participação do Brasil foi boa, ficamos entre os cinco melhores do mundo na competição mais importante do mundo. Ficamos tristes de não conseguir a medalha por equipe, mas não podemos falar que o resultado foi ruim. Brigamos com as maiores nações do esporte, no final foram detalhes. Mas isso mostra que estamos no caminho”, comenta Pedro Veniss.

Mais experiente da equipe e dono de duas medalhas olímpicas por equipe, Doda Miranda foi o último a entrar na pista, com Cornetto K. Mesmo com o percurso zerado na segunda volta, ele acumulava 4 pontos perdidos da sua primeira passagem, o que o deixou sem chances de chegar ao desempate, aonde seis conjuntos com duplo zero disputaram as medalhas. “Achei que tivemos mais percursos zerados do que pensamos. Os cavalos estão saltando muito bem, os obstáculos estão chamando a atenção dos cavalos, eles conseguem ler bem a pista, o tempo também pode ter ficado suave. É difícil armar uma olimpíada, o Guilherme Jorge fez um excelente trabalho. A falta que cometi foi muito leve, difícil conseguir explicar. Mas vamos em frente, agora é pensar na próxima olimpíada e não parar enquanto a medalha não vier”, comenta Doda Miranda.

Na classificação geral, Doda (foto) ocupou a 9ª posição, melhor resultado entre os cavaleiros brasileiros nesta olimpíada. O veterano Nick Skelton, da Grã Bretanha, foi o grande campeão da prova, zerando também o desempate com o tempo mais rápido. O sueco Peder Fredricson ficou com a medalha de prata, também com zero faltas e o canadense Eric Lamaze com o bronze, tendo cometido uma única falta no desempate.

Doda Miranda e Cornetto K / foto: Aida Nunes
Doda Miranda e Cornetto K / foto: Aida Nunes